Matéria Especial - 13/02/2020

789 acessos

Magia, mistérios e curiosidades do número 4
por Asséde Paiva

Os números governam o mundo (Pitágoras).

Preliminarmente, digo que o somatório dos números de meu nome após redução é quatro. E se repete somando-se a hora, dia e data do nascimento: 6h de 23/3/1934 (6+2+3+3+1+9+3+4 = 31, que reduzindo dá quatro: 3+1=4).

Estamos no ano 2020, somando 20+20 = 40; lembremo-nos de que o Dilúvio durou 40 (quarenta dias e quarenta noites); Jesus jejuou no deserto 40 (quarenta dias e noites); Moises demorou 40 (quarenta anos) para cruzar o deserto do Sinai, levando seu povo a Terra da Promissão. O ano 2020 será regido pelo número quatro e, nele focaremos o nosso microscópio.

Astrologicamente falando, o Sol, o grão-vizir do infinito [Camões], “representa a força vital, a luz, a criatividade, a busca pela consciência, o espírito humano, o poder, o senso de autoridade, a força de atração e da manutenção da vida”. (Almanaque do Pensamento, 2020, p. 96).

O número quatro é considerado um dos mais cabalísticos. Quatro são as proposições aristotélicas (duas afirmativas, A, I) e duas negativas (E, O) etc. Todo o sistema de pensamento jungiano, por exemplo, se fundamenta na importância fundamental do número quatro, já que a quaternidade representa para ele o fundamento arquetípico da psique humana. Na psicologia de Carl G. Young: Deus, Jesus, Espírito Santo e o Mal (Lúcifer).

Segundo a tradição iconográfica cristã mais recente, o número de pregos na crucificação são quatro: dois nas mãos e dois nos pés.

O 4 (quatro) é o número da perseverança, da imortalidade, da descoberta e do aperfeiçoamento, da estabilidade, firmeza, segurança e conservadorismo. É o símbolo da lei da ordem, esta relacionada ao trabalho organizado e dirigido para massas, à preocupação com detalhes, a energia para construir e concretizar. Por um lado é a limitação e a dureza; por outro, simboliza a segurança, a estabilidade, os esforços premiados. Está ligado ao mundo material, com o senso prático, a autodisciplina. Para construir é preciso valer-se de sua força e poder. Desenvolve o senso prático, a autodisciplina, a defesa das tradições e certo conformismo; é o número da ação que realiza. Quatro é o número das pessoas fortes, com boa capacidade de argumentação, práticas leais, justiceiras, minuciosas e organizadas. É solidário.

Lembremos que o quarto centenário da cidade do Rio de Janeiro teve como logotipo “quatro quatros”.

 

Superpondo as linhas, do logotipo temos um quadrilátero, polígono de quatro lados.

Segundo a numerologia (Almanaque do Pensamento, 2020, p.183), anos que repetem os algarismos, são anos de transformação e mudanças...

Na Rosa dos Ventos, os quatro pontos cardeais são as quatro direções essenciais: Norte, Sul, Leste, Oeste.

São quatro as estações do ano: primavera, verão outono e inverno.

Quatro são os cavaleiros do Apocalipse: Fome, Guerra, Peste e Morte.

Os quatro elementos básicos na alquimia são: água, fogo, terra e ar.

Todos os indivíduos cujo somatório do dia + mês + ano do nascimento for reduzido a quatro, terão um ano muito feliz, mas terão que comer o pão com o suor do seu rosto.

Quatro forças fundamentais na Natureza: 1 – gravitacional; 2 – eletromagnética; 3 – nuclear fraca; 4 – nuclear forte.

Quatro fases da vida humana: infância, juventude, maturidade e velhice.

As vestes de Jesus foram divididas em quatro partes.

O número quatro, na linguagem mística, lembra a figura de um quadrado; traçando as bissetrizes dos quatro ângulos do quadrado temos quatro triângulos retângulos.

O quadrado simboliza a extensão limitada do mundo físico.

A Caaba, templo dos maometanos tem a forma exata de um quadrado.

A Pedra Negra (venerada pelos muçulmanos) tem forma cúbica e todas as faces quadrangulares.

Para os pitagóricos, o número quatro, imagem do sólido é o primeiro quadrado perfeito par.

Os versos dourados atribuídos a Pitágoras começavam assim: “Salve quatro, número famoso, gerador dos deuses e dos homens”.

Quatro são os evangelhos: Mateus, Lucas, João e Marcos; e, os apóstolos eram doze, um múltiplo de quatro; embora 12, reduzido, perfazem três, (3), e não podemos esquecer do Evangelho apócrifo de Tomé, portanto, 3+1= 4.

No Apocalipse de João podemos ler: “E os quatro animais (leão, urso, leopardo e quimera) respondiam amém”.

Os quatro irmãos de Jesus: José, Simão, Judas e Tiago.

Os naipes do baralho são quatro: copas, ouros, paus e espadas.

A Lua tem quatro fases: nova, crescente, cheia e minguante.

Quatro profetas do Velho Testamento: Isaías, Ezequiel, Jeremias e Daniel.

Quatro períodos da história humana: antigo, médio, moderno e contemporâneo.

Quatro operações da aritmética primária: soma, subtração, multiplicação e divisão.

Quatro são quadrantes do círculo trigonométrico: seno, cosseno, secante, cossecante.

Provérbio com o número quatro: “Homem velhaco, três barbas ou quatro”.

Quatro indivíduos em reunião: quadrilha, conspiração.

Castro Alves em O navio negreiro escreve arrebatado:

Homens do mar!

Ó rudes marinheiros

tostados pelo sol

dos quatro mundos.

Fraseologia com o número quatro:

Cair de quatro – apoiar-se no chão com os joelhos e as mãos.

Tão certo como dois e dois são quatro.

Comer por quatro – comer demais, exageradamente.

Brincar de quatro cantos – pessoa agitada, inquieta.

Quatro pedras na mão – extrema grosseria, agressividade, brutalidade.

Quatro vinténs – coisa sem valor.

Quatro reis – espécie de jogo de cartas.

Besta-quadrada – individuo pouco inteligente e teimoso.

De quatro em quatro – com rapidez, aos pulos.

De quatro-costados – pessoa que tem boa fama desde os antepassados.

Quatro de paus (zape) – a carta mais forte no jogo de truco.

Quatro-olhos – indivíduo que usa óculos de lentes grossas.

Quatro vivos para retirar um morto de casa.

Fazer um quatro – teste que indica se o indivíduo está ou não bêbado, mandando-o fazer um quatro com as pernas.

Quatro-vozes – na música religiosa: belos os motetos a quatro-vozes.

Quatro-folhas – trevo anômalo que dá sorte.

Escrever quatro linhas – escrever pouco, bilhete.

Quatralvo – cavalo que tem malhas brancas nos pés.

Quatro obras seminais de Kardec, o Codificador do Espiritismo:

O livro dos espíritos;

O céu e o inferno;

O evangelho segundo o espiritismo; e,

A gênese.

Trova de prisioneiro:

Quatro paredes em silêncio

quatro cadeias de agonia

quatro sorrisos lacerados

sorrindo o pranto de cada dia.

(Ilka Sanches).

Trova de quatro versos ou diamante de quatro facetas:

 

 

Minha gente vou’mimbora,

mineiro tá me chamando.

Mineiro tem este jeito:

Chama a gente e vai andando.

Lá se vai meu coração,

partido em quatro pedaços.

Meio vivo, meio morto,

vai acabar nos teus braços.

Logo mando quatro cravos,

todos quatro por abrir.

Meus braços estão abertos

sempre que tu queiras vir.

 

 

Estrofe de seis versos (sextilha):

Quatro coisas neste mundo,

arrenega o bom cristão:

uma casa que goteja,

um cavalo bem choutão,

uma mulher rabugenta,

mais um menino chorão.

Benzeção para tirar quebranto:

Com Deus te botaram,

com quatro eu tiro,

com Deus te botaram,

com quatro eu tiro,

com Deus te botaram,

com quatro eu tiro,

dois de são João Batista,

dois de Jesus Cristo.

Fulano de tal, assim como nasceste livre e são [sadio] desse olhado, quebrado os olhos malvados, assim vai-te para as ondas do mar.

Quatro na Umbanda, invocação a Xapanã / Obaluaiyê, orixá da cura.

Se ele corre os quatro cantos,

corre gira sem parar.

Se ele corre os quatro cantos,

é para seus filhos ajudar.

Na Maçonaria – quatro é o símbolo da força oculta, é o número da família, se resume nos quatro verbos: saber, querer, ousar, calar. QUATRO é o primeiro número formado, quer pela adição, quer pela multiplicação de iguais (DOIS mais DOIS e também DOIS vezes DOIS). Assim, os pitagóricos consideravam o QUATRO o primeiro número par e o primeiro número "feminino". O quadrado de lado par, segundo eles, representava a Justiça, pois é o primeiro número divisível de qualquer maneira em partes iguais (Quatro é igual a DOIS mais DOIS e também a UM mais Um mais Um mais UM). Ainda, na maçonaria, para se chegar ao sólio, onde fica o venerável mestre, é necessário subir sete degraus; os quatro primeiros representam: força, trabalho, ciência e virtude; os três do trono são: pureza, luz e verdade.

O quatro foi chamado número perfeito, porque há quatro lados no quadrado, quatro virtudes, quatro estações, quatro elementos, quatro evangelistas, quatro letras no nome de Deus (Iavé), quatro letras no nome do primeiro homem: Adão/Adam.

As quatro nobres verdades da doutrina de buda:

I. A vida é dor;

II. A causa da dor é o desejo;

III. A cessação da dor se obtém com a cessação do desejo;

IV. Existe um óctuplo caminho que conduz à cessação da dor: justa visão, / justa resolução, / justa linguagem, / justa conduta, / justo viver, / justo esforço, / justa mentalidade, / justa concentração. (Note-se que oito é múltiplo de quatro).

Os objetos do desejo são quatro, a saber: prosperidade, renome, poder, amizade.

No Sineru, dos budistas, cresce a árvore de Damba, de quatro galhos, ou Árvore da Vida e de suas raízes tombam quatro correntes sagradas: Norte, Sul, Este e Oeste.

Platão e outros filósofos resumiram todas as virtudes humanas em quatro tipos distintos: prudência, justiça, fortaleza e temperança,

As quatro criaturas sobrenaturais dos chineses são: o dragão, o unicórnio, a fênix e a tartaruga.

Hare Krishna é o "Grande" mantra da "Felicidade", ou seja: "O melhor mantra para proteger a mente contra pensamentos de infelicidade".

Leia o quatro em cada verso:

1 2 3 4

Hare Krishna, Hare Krishna, 
Krishna Krishna, Hare Hare, 
Hare Rama, Hare Rama, 
Rama Rama, Hare Hare.

O nome Krishna significa “O todo atraente” e é o Deus do amor. Ele representa a verdade absoluta, e possui quatro principais características que são infinitas nele: beleza, força, sabedoria, riqueza. Além disso, ele tem o conhecimento de tudo o que já aconteceu, o que acontece e ainda vai acontecer e possui também uma misericórdia infinita.

Denominam-se Vedas as quatro obras, compostas em um idioma chamado Sânscrito védico, são elas: Rigveda, Samaveda, Iajurveda e Atarvaved.

Os ciclos cósmicos são quatro: Brahma, Vishnu, Shakti e Shiva.

São quatro os braços de Shiva. O deus Shiva, numa das narrativas sobre a Criação, constrói o mundo dançando, marcando o ritmo com os dois pés enquanto produz a realidade com os gestos de seus quatro braços. Normalmente, ele tem dois objetos nas mãos: um pequeno tambor (que representa o passar do tempo) e uma chama (a eternidade).

Quatro arcanjos: Miguel, Gabriel, Uriel e Rafael.

Quatro posições do corpo humano: cabeça, pescoço, tronco e membros.

No sufismo são quatro as portas pelas quais o homem deve passar no caminho para a iluminação: Xaria, Tariqa, Marifa e Haqqiqa.

No quarto dia, Deus fez todas as estrelas. Também o sol e a lua. Ele já tinha criado a luz no primeiro dia e agora estava criando a luz que brilharia noite e dia para o planeta em que vivemos (Gn 1:14-19).

Quatro leis da espiritualidade:

1 – A pessoa que vem é a pessoa certa;

2 – aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido;

3 – toda vez que iniciar é o momento certo;

4 – quando algo termina, ele termina.

Na onomatopeia dos batráquios podemos ouvir: – Quem de quatro tira quatro, põe quatro... (sapo). A rã responde, em sintonia e eufonia: – Tá errado! Tá errado!

Fazer um trabalho a quatro mãos: trabalhar com um parceiro.

No Japão, o número quatro é aziago, significa morte, portanto, se evita pronunciá-lo.

Lúcifer, chefe do inferno tem quatro mulheres: Lilith, Agarat, Naema e Moclat.

Os quatro rios do jardim do Éden: segundo a descrição bíblica, O nome do primeiro é Pisom, rio que rodeia toda a região de Havilá, onde se encontra ouro puro, bdélio e Ónix ou pedra Sardônica. O nome do segundo rio é Ghion, o qual rodeia toda a terra de Cuxe. O nome do terceiro rio é o Tigre, e corre ao oriente da Assíria. O quarto rio é o Eufrates.

O número quatro indica vários acidentes geográficos e dá títulos a cidades: Quatro Barras, povoado paranaense; Quatro Léguas, colônia no município de Santa Cruz, RS; Quatro Irmãos, vila situada no município de Erechim, RS; Passa Quatro, cidade do sul de Minas; Quatro Cantos, povoação paulista, em Nazaré; Quatro Córregos, lugarejo em São Paulo; Quatro Oitavas, nome de uma serra.

NÃO É COMIGO

Essa é uma estória sobre quatro pessoas:

Todo Mundo, Alguém, Qualquer Um, e Ninguém. Havia um importante trabalho a ser feito e Todo Mundo tinha certeza de que Alguém o faria. / Qualquer Um poderia tê-lo feito, mas Ninguém o fez. / Alguém se zangou porque era um trabalho de Todo Mundo. / Todo Mundo pensou que Qualquer Um pudesse fazê-

-lo, mas Ninguém imaginou que Todo Mundo deixasse de fazê-lo. / Ao final, Todo Mundo culpou Alguém, quando Ninguém fez o que Qualquer Um poderia ter feito.

Tocando-se quatro vezes no corpo, os cristãos nas igrejas ocidentais fazem o sinal da cruz, levando a mão em sequência à testa, ao peito, ao ombro esquerdo e ao ombro direito, acompanhando o movimento com a fórmula verbal: Em nome do Pai (na testa), e do Filho (no centro do peito ou o umbigo), e do Espirito (no ombro esquerdo) Santo (toca-se o ombro direito) Amém.

Quatro doutores da Igreja: Santo Ambrósio, São Jerônimo, Santo Agostinho e São Gregório, o grande.

Os três mosqueteiros, título do célebre e imortal romance de Alexandre Dumas, eram quatro: Atos, Portos, Aramis e d’Artagnan.

Mais dois romances famosos com quatro em seus títulos: As quatro penas brancas, livro heroico de A. E. W. Mason. O signo dos quatro: primeiro livro de Arthur Conan Doyle, com o detetive Sherlock Holmes.

Quatro coisas: O medo, o mando, o amor e o ódio, muitas vezes pervertem o sentimento dos homens retos.

Quatro forças mentais dissuadem o homem de pecar: o pensamento de onde ele vem; o medo para onde irá; a concepção de quem será seu juiz; e qual será seu destino após a ressurreição.

A Constelação do Cruzeiro do Sul, presente em nossa bandeira, tem quatro estrelas: Magalhães, Mimosa, Pálida, Rubídea, porém, há uma quinta, denominada Intrometida.

Os quatro rios do inferno citados por Dante, in Divina Comédia, são: Estige, Aqueronte, Cócito e Flegetonte. Há mais um: Lete, mas fica no Purgatório. E, no quarto círculo do Inferno de Dante, ficam os avarentos e os perdulários.

Quatro rios de leite percorrem o Asgard, o Eliseu, ou residência da felicidade dos escandinavos.

Sou privilegiado: No quarto centenário de São Paulo, eu estava lá; no quarto centenário do Rio de Janeiro, eu também estava lá.

A probabilidade de em todos os números naturais de oito números darem quatro é muito grande.

Mancha na história da diplomacia: por 444 dias, americanos, na Embaixada dos USA, ficaram reféns em Teerã (Iran).

Poema do número quatro:

Sou alegre e divertido

sou o quatro trapalhão
me pareço com a cadeira

e adoro diversão.

(Internet)

O NÚMERO QUATRO

“O número quatro feito coisa
ou a coisa pelo quatro quadrada,
seja espaço, quadrúpede, mesa,
está racional em suas patas;
está plantada, à margem e acima
de tudo o que tentar abalá-la,
imóvel ao vento, terremotos,
no mar maré ou no mar ressaca.
Só o tempo que ama o ímpar instável
pode contra essa coisa ao passá-la:
mas a roda, criatura do tempo,
é uma coisa em quatro, desgastada”.

(João Cabral de Melo Neto)

Finalmente, eu, minha esposa + dois filhos = quatro ou família perfeita.

Comente!

© direitos reservados desde 2008 -  benficanet.com - contato@benficanet.com